Quem sou eu

Minha foto
FORMAÇÃO EM PEDAGOGIA, PÓS GRADUADA EM PSICOPEDAGOGIA.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

OITO PASSOS PARA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO




OITO PASSOS PARA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO

  1. Para construir o Projeto Pedagógico (PP) é preciso que direção, professores, funcionários, alunos e pais saibam o que ele significa. Para as escolas que ainda têm dúvidas na elaboração do seu PP, ressaltamos que a leitura e discussão desse artigo pelos professores, no primeiro dia de planejamento, contribuirão para a compreensão do tema.
  2. O PP é a intenção de a escola e seus profissionais realizarem um trabalho de qualidade. Ele será o resultado de reflexões e questionamentos de seus profissionais sobre o que é a escola hoje e o que poderá a vir a ser. Visa inovar a prática pedagógica e elevar a qualidade do ensino.
  3. O PP não começa de uma só vez, não nasce pronto. Não é obra exclusiva do diretor, ou do coordenador, mas sim de um grupo que engloba, no início, coordenação, direção e corpo docente. Com o tempo, incluirá todo o coletivo escolar.
  4. Durante a construção do PP, os educadores explicitam propósitos, apontam metas e objetivos comuns, vislumbrando caminhos para melhorar a atuação da escola como instituição que tem personalidade por refletir o pensamento do seu coletivo.
  5. Na construção do PP, a escola deve levar em conta as práticas e necessidades da comunidade escolar, as diretrizes nacionais e as normas, regulamentos e orientações curriculares e metodológicas do seu sistema.
  6. O PP é ao mesmo tempo, um dever e um direito da escola. Deve ser um instrumento democrático, abrangente e duradouro.
  7. Os princípios, nos quais se baseia o PP, são: garantia do acesso e permanência, com sucesso, do aluno na escola: gestão democrática; valorização dos profissionais; qualidade do ensino; organização/integração curricular; integração escola/família/comunidade; autonomia. Esses princípios estão interligados: alunos de escolas que contam com a participação dos pais apresentam melhor rendimento e menor taxa de evasão; escolas que se articulam com a comunidade oferecem educação de melhor qualidade. A integração escola/comunidade, por sua vez, será sempre decorrência de uma gestão democrática, ou seja, a abertura e o incentivo proporcionados pela direção, para a participação dos vários segmentos da comunidade na vida escolar. À medida que a escola se democratiza, coloca em discussão com a comunidade o que vem realizando. Disso resulta uma certa autonomia para as ações pedagógicas. Mas, autonomia não é sinônimo de soberania, uma vez que a escola pertence, e se vincula, a um determinado sistema.
8.     Há três fases bem definidas na construção do PP:
            FASE – DIAGNÓSTICO:
Como é a nossa escola?
·       Nessa faze, se levantam informações sobre o trabalho que a escola realiza, sua prática pedagógica. A comunidade escolar vai analisar e debater esses dados, sugerindo medidas para alterações.
·       O que fazer?
            Nesta faze, a escola coletará dados sobre sua realidade, e irá analisá-los, do ponto de vista qualitativo e quantitativo: os que significam dificuldades e os que representam sucesso.
·       Como fazer?
A partir do trabalho que a escola realiza, seus membros farão uma série de questionamentos:
- Como é o contexto sócio-político-econômico da escola?
- Qual é a função da escola?
- Como tem sido a participação dos pais na vida da escola?
- Que resultados a escola apresenta para a sociedade?
- Como a escola considera os alunos, na relação ensino-aprendizagem?

Na fase do diagnóstico, a escola identifica os recursos humanos e financeiros disponíveis. É preciso saber como a escola funciona, como acompanha e avalia o processo pedagógico. Muitas vezes, a escola está fragilizada por culpa de uma gestão inadequada; outras vezes, por falta de recursos; outras ainda, por falta ou despreparo dos profissionais. À medida que se coletam informações, para conhecer os problemas, também se encontrando soluções para eles.
Ao se conhecer as pessoas e o funcionamento da escola, começa-se a observar que há em cada segmento escolar (professores, funcionários, alunos, pais) o desejo de mudar algo, para melhorar o desempenho da escola . Os serventes gostariam que ela fosse mais limpa; os funcionários da secretaria, que a documentação estivesse em ordem; os professores, que houvesse mais disciplina e melhor organização, facilitando o trabalho em sala de aula. Como todos desejam alguma coisa, falta apenas articular esses desejos, para construir uma proposta de mudança dos rumos da escola.
O diagnóstico da escola será feito, considerando-se os seus aspectos pedagógicos, administrativos, financeiros e jurídicos.
As estratégias para esses diagnóstico variam, de acordo com a realidade década escola. Sugere-se: análise da evolução das matrículas; índices de aprovação, reprovação e evasão, situação sócio-econômica das famílias; análise e interpretação de avaliações externas- Saresp, Saeb, Enem; análise de estudos sobre a situação da educação básica; ciclos de debates com a comunidade, destacando-se a realidade de cada escola.

2ª FASE – QUE IDENTIDADE A ESCOLA QUER CONSTRUIR?

Após avaliar-se, a escola precisa buscar uma fundamentação que oriente a ação conjunta dos seus segmentos. A prática precisa estar sustentada em uma teoria.
O que fazer?
Nessa fase, será fundamental levantar as concepções que o coletivo tem do trabalho pedagógico, para propor inovações no cotidiano escolar. É preciso conhecer o que cada segmento pensa a respeito da educação, a fim de estabelecer uma linha de ação prioritária.
Como fazer?
Fazer sempre pelo questionamento de todos a respeito de suas concepções: Que tipo de sociedade a escola quer? Que cidadão deseja formar? O que se entende por educação? Que escola se quer construir? Como se concebe a gestão escolar? Qual a compreensão de currículo? Qual será a missão da escola?Qual a visão sobre avaliação? Como a escola encara a questão metodológica? Que tipo de relação à escola quer manter com a comunidade local? Que tipo de profissional tem e qual quer? De que profissionais precisa? Das respostas a essas questões resultará um posicionamento político-pedagógico, que levará a uma definição das concepções e ações a serem compartilhadas. Portanto, a identidade, a “cara” da escola, resultará dessas concepções, o que, unificará o trabalho do coletivo.

3º FASE- COMO EXECUTAR AS AÇÕES DEFINIDAS PELO COLETIVO?
Uma vez estabelecidas às concepções do coletivo, é preciso definir: as prioridades da escola; irá desenvolver; as pessoas que irão realizá-las.
É nessa fase que a escola irá definir a maneira pela qual superará os desafios do seu cotidiano, discutindo e aproveitando as propostas dos participantes. É necessário identificar os segmentos que vão realizar as ações que representam o desejo do coletivo muitas dessas ações, de cunho pedagógico serão realizadas pela direção, coordenação e corpo docente. Outra questão importante nesta fase é saber se as soluções apontadas são criativa, realistas, e se serão capazes de superar as dificuldades identificadas pelo coletivo.

MAIS SEIS PASSOS PARA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO

(...) Antes de tudo é preciso lembrar que o Projeto Pedagógico de uma escola exige avaliação permanente, para garantia de seu sucesso. É essa avaliação que vai identificar os rumos que a escola vem tomando. Ao se considerar as diversas funções da avaliação, seria interessante responder as seguintes indagações: em que medidas os desafios são atendidos, no Projeto Pedagógico? Quais os novos desafios que estão surgindo no percurso?  As ações propostas foram desenvolvidas? Quais são os seus efeitos? Também será importante definir formas claras de acompanhamento e avaliação das ações, assim como os seguimentos que ficarão responsáveis por elas.

O acompanhamento do Projeto Pedagógico deverá ter por base os dados obtidos, permitindo à escola análise dos resultados de seus esforços, fazendo que eventuais problemas possam ser resolvidos, enquanto ainda é tempo de resolvê-los.

Assim, as três perguntas que guiaram toda a discussão: Como é a nossa escola? Que identidade nossa escola quer construir? Como executar as ações definidas pelo coletivo? – são orientadoras do Projeto Pedagógico e devem ser objeto do processo de avaliação.

1. Articulação do Projeto com a prática pedagógica
Até determinado momento, os profissionais envolvidos com o Projeto Pedagógico observam que o coletivo mergulhou numa série de questionamentos, com vistas à mudança de rumo na unidade escolar. Após esta etapa, esses questionamentos servirão de base para a organização pedagógica da escola.
A escola pública necessita de uma gestão que, partindo da construção do Projeto Pedagógico, crie condições para que ela possa alcançar sua finalidade, concretizando sua função social: a promoção da cidadania e o desenvolvimento pleno e o sucesso dos alunos. Para que isso seja possível, a escola necessita de um planejamento que organize seu trabalho e sua prática pedagógica, de modo que as ações implementadas se articulem, promovendo uma educação de qualidade, conforme o proposto, pelo coletivo, no Projeto Pedagógico.

2. Revendo o cotidiano escolar
No tempo em que não se falava da construção do Projeto Pedagógico, o Planejamento caracterizava-se por uma atividade quase burocrática: a elaboração dos programas que cada professor iria desenvolver ao longo do ano. A partir do momento em que as escolas se voltaram para a construção do Projeto Pedagógico, o Planejamento passou a incluir uma profunda reflexão na montagem dos conteúdos programáticos.

Assim, é preciso termos clareza de que a relação entre o Projeto Pedagógico e o Planejamento é bem próxima, embora tenham eles significados distintos:
  • O Projeto Pedagógico busca a construção da identidade da escola; estabelece seu direcionamento; almeja o comprometimento da comunidade escolar com uma visão comum e compartilhada de educação. É, portanto, o norteador de todas as práticas da escola.
  • O Planejamento é o processo de uma ação organizada que pretende transformar a escola. Ele tem diferentes abordagens em diferentes partes do país. No sistema escolar público do Estado de São Paulo, recebe a denominação de Plano de Gestão.

3. A função social
Para que a gestão do trabalho na escola pública ocorra de forma organizada, é necessário ter clareza da sua função social, da sua missão, dos objetivos estratégicos que precisam ser desenvolvidos, a fim de que os planos de ação assegurem o sucesso da escola. Algumas definições:

Missão: define o que a escola é hoje, seu propósito, e como pretende atuar no seu dia-a-dia. Sintetiza a identidade da escola, sua função social orientando a tomada de decisões e garantindo a unidade e o comprometimento de todos na ação pedagógica. Por exemplo: a escola tem por missão um ensino de qualidade, garantindo o acesso e permanência dos alunos, formando cidadãos críticos e participantes, capazes de agir para transformar a sociedade.

Objetivos estratégicos: são situações que a escola pretende atingir num certo prazo. Indicam áreas nas quais a escola concentrará suas preocupações e refletem suas prioridades. Representam a escola que temos e definem a escola que queremos construir: melhorando e fortalecendo o relacionamento escola/comunidade: diminuindo o índice geral de reprovação e evasão: promovendo a qualificação dos professores e funcionários; incentivando a convivência democrática na escola.

A partir da missão e dos objetivos estratégicos definidos pela comunidade escolar, é preciso elaborar o Plano de Ação.

Plano de Ação: é documento que apresenta a forma de operacionalização e de implementação das ações planejadas. Deve conter, no mínimo, as metas ou objetivos específicos, a justificativa, as ações ou estratégias de ações, os responsáveis pela implementação das ações, o período em que elas vão acontecer e os recursos materiais e humanos necessários para a execução dessas ações ou estratégias: o que fazer? Por que fazer? Como fazer? Quem vai fazer? Quando? Com que fazer?

Metas: explicitam os resultados que a escola espera obter após a implementação das ações. Podem ser mensuradas e vinculadas a um determinado período de tempo. Por exemplo, aumentar em 20%, até o fim do ano, o índice de aprovação dos alunos  da 5ª série. Pode haver mais de uma meta para alcançar um objetivo estratégico. Exemplo: objetivo estratégico: fortalecer a participação dos pais na escola.
Meta 1: promover pelo menos duas atividades esportivas com o pais das oitavas séries: Meta 2: desenvolver pelo menos uma ação pedagógica com pais das primeiras séries do ensino fundamental.


4. O envolvimento de todos
A construção e a implementação dos planos de ação devem ser compartilhados por todos os seguimentos da escola. Nem todos farão tudo, mas é importante que todos tenham acesso às informações sobre o planejamento e o acompanhamento das ações, evitando-se que alguns pensem e outros façam, sem saber por que o fazem.

5. Relação do Projeto Pedagógico com o Regimento Escolar
As escolas trabalham com grupos heterogêneos. Muitas vezes, a convivência entre os participantes fica comprometida, em decorrência de uma série de mal-entendidos.  Por isso, é necessário que as normas sejam muito bem definidas pelo coletivo. A materialização dessas normas constitui o Regimento Escolar, cujas diretrizes encontram-se no Projeto Pedagógico.

O cotidiano escolar apresenta, às vezes, situações conflitantes, que se repetem, e que demandam decisões rápidas. O Regimento Escolar é o instrumento que permite à equipe gestora tomar essas decisões, com base nos princípios e normas estabelecidas pelo grupo. Para que o Regimento favoreça essas ações, é necessário que, na elaboração do PP, os problemas do cotidiano sejam abordados. Por exemplo, na questão da disciplina, o Regimento estabelece os direitos e os deveres de todos os segmentos.
No entanto, na maioria das vezes, as penalidades são aplicadas apenas aos alunos: o aluno que chega atrasado é punido, o que nem sempre acontece com um professor na mesma situação.

6. Relação do Projeto com a prática pedagógica

A prática pedagógica remete à elaboração do currículo, ao conhecimento selecionado e organizado socialmente, peças fundamentais no processo de aprendizagem. Por isso, é preciso responder às seguintes perguntas: Para quem são selecionados os conteúdos? A quem interessam os conteúdos secionados? Por que alguns conteúdos são selecionados, e os outros, não? Quem seleciona esses conteúdos?

Conclusão

A construção do Projeto Pedagógico é um processo que compreende três momentos distintos e interligados:
a) Diagnóstico da realidade da escola;
b) Identidade da escola, decorrente do levantamento das concepções do coletivo;
c) Programação das ações a serem desenvolvidas pelo coletivo.
Todos esses momentos passam por um processo de avaliação, o que permite ao grupo caminhar do real para o ideal, desenvolvendo ações possíveis e pertinentes.

Nossa pergunta inicial, “por que construir coletivamente o projeto Pedagógico?”, sempre terá que ser feita, para que as ações não se tornem um mero cumprimento de tarefas.

Este trabalho tomou como base o MODELO III,
da coleção Progestão, do Consed, produzido por
José Vieira de Souza e Juliana Corrêa Marçal.      

(Gestão em Rede- setembro 2009 - Nº 96, 97;
Consed- Conselho Nacional de Secretários de Educação).


Nenhum comentário:

Postar um comentário